A força muscular cervical está mais relacionada à severidade dos sintomas de alodinia cutânea do que à frequência das crises de migrânea

Authors

  • Carina Pinheiro Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
  • Lidiane Florencio Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
  • Anamaria Oliveira Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
  • Tenysson Will-Lemos Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
  • Fabiola Dach Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
  • Cesar Fernández-de-Las-Peñas Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
  • Debora Bevilaqua-Grossi Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.48208/HeadacheMed.2020.Supplement.66

Keywords:

Português

Abstract

Introdução
A disfunção cervical é uma condição frequentemente observada em pacientes com migrânea, e está associada com o risco para a cronificação. A força muscular cervical reduzida é um dos fatores dessa disfunção, e pode estar relacionada com a apresentação clínica da migrânea. O objetivo deste estudo foi verificar a correlação entre as características clínicas da migrânea e a força muscular isométrica cervical.
Métodos
Participaram deste estudo 71 mulheres com migrânea (32,8 anos, DP 9,3), diagnosticadas de acordo com a terceira edição da Classificação Internacional de Cefaleias. As características da migrânea avaliadas foram a frequência e intensidade da migrânea, tempo de doença, incapacidade relacionada à migrânea avaliada pelo Migraine Disability Assessment (MIDAS), e a severidade da alodinia cutânea mensurada pelo questionário 12-item Allodynia Symptom Checklist (ASC-12). Para a avaliação da força muscular cervical, as voluntárias foram posicionadas sentadas no equipamento Multi Cervical Rehabilitation Unit, onde foi mensurada a força
muscular cervical isométrica em flexão, extensão e inclinação bilateral. O estudo foi aprovado pelo comitê de ética local (12145/2016).
Resultados
A correlação entre a força muscular cervical e as características clínicas da migrânea foi avaliada com o coeficiente de correlação de Pearson (p<0,05). A magnitude da correlação foi classificada como fraca (rho< 30), moderada (0,30 < rho < 0,70) e forte (rho> 0,70). Foi observada correlação fraca a moderada entre a severidade da alodinia e a força muscular cervical em flexão (rho= -0,31; p=0,008), extensão (rho= -0,35;p=0,003), inclinação à direita (rho= -0,25; p=0,03) e inclinação à esquerda (rho= -0,39; p= 0,001). Não foi observada correlação significativa entre a força muscular cervical e a frequência da migrânea (rhoFL 0,15; rhoEX 0,15; rhoID 0,21; rhoIE 0,23; p>0,05), intensidade da migrânea (rhoFL 0,10; rhoEX 0,16; rhoID 0,02; rhoIE 0,13; p >0,05), tempo de doença (rhoFL 0,07; rhoEX -0,001: rhoID 0,13; rhoIE 0,01; p>0,05) e incapacidade da migrânea (rhoFL - 0,06; rhoEX -0,23; rhoID -0,09; rhoIE -0,19 ; p>0,05).
Conclusão
A força muscular cervical foi negativamente correlacionada com a pontuação do ASC-12, indicando que quanto maior a severidade da alodínia cutânea, menor a força isométrica esperada. Tal resultado sugere que a disfunção musculoesquelética associada à migrânea pode estar relacionada com a sensibilização central destes pacientes.

Downloads

Download data is not yet available.

Downloads

Published

30/11/2020

How to Cite

1.
Pinheiro C, Florencio L, Oliveira A, Will-Lemos T, Dach F, Fernández-de-Las-Peñas C, Bevilaqua-Grossi D. A força muscular cervical está mais relacionada à severidade dos sintomas de alodinia cutânea do que à frequência das crises de migrânea. HM [Internet]. 2020 Nov. 30 [cited 2021 Sep. 16];11(Supplement):66. Available from: https://headachemedicine.com.br/index.php/hm/article/view/153

Issue

Section

Abstracts

Similar Articles

1 2 3 4 5 6 7 > >> 

You may also start an advanced similarity search for this article.

Most read articles by the same author(s)