Análise epidemiológica crítica das internações por infecções meningocócicas em goiás entre 2010 e 2019

Authors

  • Danilo Amaral Universidade Federal de Goiás
  • Murilo Silva Universidade Federal de Goiás
  • Jonatan Silva Universidade Federal de Goiás
  • Mateus Sequeira Universidade Federal de Goiás
  • Ronan Borba Universidade Federal de Goiás
  • Leanderson Pontes Universidade Federal de Goiás
  • Cejana Ribeiro Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.48208/HeadacheMed.2020.Supplement.54

Keywords:

Português

Abstract

Introdução
As infecções meningocócicas são definidas como o conjunto de doenças causadas pela Neisseria meningitidis. Destas, mais de 90% compreendem a meningite e sepse. No Brasil, os maiores coeficientes de incidência de doença meningocócica são observados em lactentes em seu primeiro ano de vida. No entanto, a infecção meningocócica pode se apresentar em qualquer idade, incluindo os idosos. Diante disso, é necessário a continuidade de estudos epidemiológicos especificamente sobre a situação em Goiás.
Material e Métodos
Estudo ecológico realizado a partir do Sistema de Internações Hospitalares (SIH-SUS) e da Rede Interagencial de Informações para a Saúde (RIPSA). Coletou-se dados das taxas de internação e mortalidade hospitalar relacionado à Infecção Meningocócica em Goiás entre 2010 a 2019. Estratificou-se 4 FE: até 19 anos (FE1), 20 a 39 anos (FE2), 40 a 59 anos (FE3) e 60 anos ou mais (FE4). As taxas empregadas são da ordem habitante/100.000.
Resultados
Foram encontradas 887 internações ao longo dos 10 anos. A FE com o maior número de internações foi FE1, apresentando um total de 447, correspondente a 50,39% do total. Não houve prevalência de internação significativa em relação ao sexo, isto é, o sexo masculino, com o total de 460 casos e o feminino 427 casos. As taxas de mortalidade foram mais representativas estava presente nos extremos etários, ou seja, para FE1 com 16,67 e FE4 com 28,57. Sobre taxa de internação, os grupos FE1 e FE4 têm maiores taxas de internações, com 2,15 e 1,72 em 100.000, respectivamente. Em relação ao sexo, as taxas são próximas com 14,01 para o sexo masculino e 13,03 para o feminino. Para a análise temporal utilizou- se o método de Prais-Winsten. A tendência da taxa de internação por sexo foi estacionária (p-valor>0,05). Em relação a FE a taxa de internação fora não estacionária (p-valor<0,05) e decrescente (b>0) para FE1 e estacionária para as outras FE.
Conclusão
O presente estudo evidenciou que em relação ao sexo não há diferença significativa nas taxas de internações, sendo os valores aproximados. Nota-se uma taxa de mortalidade elevada nos extremos das idades, o que reforça o padrão de desenvolvimento infantil ainda em formação e o processo fisiopatológico da população senil. Observa-se ainda que esses opostos etários apresentaram as maiores taxas de internações. Além de, as taxas de internações na sua maioria ser estacionária, excetuando-se FE1 com comportamento não estacionário e decrescente.

Downloads

Download data is not yet available.

Downloads

Published

2020-11-30

How to Cite

1.
Amaral D, Silva M, Silva J, Sequeira M, Borba R, Pontes L, Ribeiro C. Análise epidemiológica crítica das internações por infecções meningocócicas em goiás entre 2010 e 2019. Headache Med [Internet]. 2020 Nov. 30 [cited 2024 Mar. 3];11(Supplement):54. Available from: https://headachemedicine.com.br/index.php/hm/article/view/140

Issue

Section

Abstracts

Similar Articles

1 2 3 4 5 6 7 8 > >> 

You may also start an advanced similarity search for this article.

Most read articles by the same author(s)